O Sangue dos Mártires é a semente dos cristãos”. (Tertuliano)

Com essa frase, Padre Joatan, chamou a atenção dos fieis na Missa do Abraço, na noite de quarta-feira, durante as homenagens ao Centenário do Barulho ou Chacina do Duro, ocorrido em 1919 em Dianópolis.

A missa celebrada na Praça da Capelinha, local onde estão depositados os restos mortais das nove vítimas da “Chacina do Duro”, foi presidida pelo Monsenhor Juarez Gomes, que em seu sermão, falou sobre a importância do perdão e do amor.

Ao lado do Monsenhor Juarez, o Padre Joatan, falou sobre o acontecimento histórico em Dianópolis, destacando a importância da união das famílias dianopolinas em reinventar e recriar o então São José do Duro, após o Barulho. “Temos que olhar Dianópolis na perspectiva do pós acontecimento. Essa cidade, se reergueu depois de uma tragédia. Cada filho, cada descendente que aqui está, são sementes do sangue destes mártires. Olhem para o que vocês conquistaram depois de tudo. Esta cidade é referência na região Sudeste. E tudo isso por conta da luta de cada filho desta terra”, disse.

A missa reuniu centenas de fiéis e contou com a participação de autoridades e familiares/descendentes das nove vítimas da chacina. Um dos momentos marcantes, foi o “abraço” onde os fiéis de mãos dadas contornaram a Praça da Capelinha, simbolizando um abraço de paz ao Centenário do Barulho.

Posse Academia Dianopolina de Letras


Na manhã desta quinta-feira, o evento em homenagem ao Centenário do Barulho, seguiu a programação, com a posse de seis novos membros da ADL.

A solenidade contou com homenagem ao ex-prefeito, escritor, historiador e pesquisador, Oswaldo Póvoa, que recebeu Certificado de Honra ao Mérito, com título de “Pai da História de Dianópolis”.


Na solenidade, a ADL junto com a Câmara Municipal de Vereadores, homenageou filhos de Dianópolis com títulos de “Moção de Aplausos” e honrou cidadãos que na “Terra das Dianas” chegaram, com o título de “Cidadão Dianopolino”.


Durante a solenidade, foram empossados para a ADL, Iara Araújo Alencar, ocupando cadeira 28, Cidney Rodrigues Valente, para a cadeira 29, Francisco Martins Benvindo, na cadeira 30, Wilson José Rodrigues, ocupante da cadeira 31, Zanone Rodrigues, para a cadeira 32, Casimiro Costa Jacobina, na cadeira 33.


A solenidade de posse da ADL, contou com a presença de autoridades e comunidade. “É motivo de muita alegria viver um momento de reencontro e união com os filhos de Dianópolis. Em nome da administração municipal, agradeço cada um que se esforçou para a realização deste evento, que desde o nascimento do projeto, tem contado com o apoio do município, por meio da Secretaria Municipal de Educação. Parabéns aos filhos desta terra. Assim, como agradecemos também àqueles que vieram de outros cantos e fizeram deste chão, sua terra. O Barulho levou muita gente embora, mas trouxe também quem acreditou e reconstruiu Dianópolis. Cada pessoa que está aqui hoje é fruto da luta, da resistência e persistência dos que acreditaram que seria possível”, disse o prefeito, Padre Gleibson Moreira.


O Barulho


O conflito que teria originado por disputa de poder nos tempos de coronelismo, entre uma oligarquia de Goiás e a família Wolney, ficou conhecido como “Barulho do Duro” ou Chacina dos Nove, aconteceu em 16 de Janeiro de 1919, quando nove homens, foram assassinados de forma brutal, sendo enterrados em uma mesma cova, local hoje, demarcado como a Praça da Capelinha, onde tem erguida uma capela sobre o túmulo das vítimas, ficando denominada como “Capelinha dos Nove”.


A Chacina dos Nove, teve como principal personagem da época, o coronel e ex-deputado federal Abílio Wolney, que após resistir à uma investida da polícia, acabou dando início à um confronto, que vitimou membros de sua família, sendo feitos reféns, amarrados em um tronco no centro da cidade (na época chamada de São José do Duro).


Diante da investida, na tentativa de revidar, o Coronel reuniu cerca de 200 homens, determinando que atacassem os policiais, dando início ao confronto, onde os nove foram assassinados.


Programação


Quinta-feira 17/01

19h00 – Exposição artística, cultural e literária (solenidade de abertura) Colégio João D’Abreu


Sexta-feira 18/01

5h00 – Alvorada dos 100 anos do Barulho (saída da Praça Cel. Wolney)

19h00 – Sarau Literário e Musical/Noite de autógrafos/Cantão Restaurante


Sábado 19/01

7h00 – Passeio turístico com prévio agendamento nas agências de turismo local (valor sob consulta)

14h00 – Passeio ciclístico com saída da Praça da Capelinha dos Nove